Ignorar e ir para conteúdo principal
Pesquisar

Notícias

terça-feira, 19 de março de 2019  

ExxonMobil fornecera $300,000 para apoiar os esforços de resposta em Moçambique apos o ciclone Idai

• O financiamento será desembolsado através da Cruz Vermelha e outras agencias que estão a apoiar os esforços em resposta ao desastre natural
• Os funcionários e contratados da ExxonMobil estão seguros

Irving, Texas – ExxonMobil afirmou hoje que ira contribuir $300,000 (Trezentos Mil Dólares Americanos) para ajudar as agências em Moçambique com esforços de emergência e de recuperação após o Ciclone Idai, que atingiu o centro de Moçambique à 14 de Março.

Deste montante, $250,000 será contribuído à Cruz Vermelha Americana para esforços de resgate e para comida, abrigo e para confortar as vítimas deste desastre natural. A ExxonMobil Moçambique Limitada, afiliada da ExxonMobil, contribuirá com mais $50,000 para organizações que operam em Moçambique que estão a auxiliar o Governo nos esforços de socorro resultantes do desastre.

"Estamos profundamente tristes com o impacto do Ciclone Idai em Moçambique e nos países vizinhos", disse Darren W. Woods, Presidente e PCA da ExxonMobil. "A devastação é abrangente, e esperamos que esta contribuição ajude a proporcionar alívio durante um momento difícil. Nossos pensamentos estão com todos afetados. "
Os funcionários da ExxonMobil e contractados estão seguros.

###

Sobre a ExxonMobil

A ExxonMobil, que é a maior empresa internacional de energia de capital aberto, usa a tecnologia e inovação para ajudar com as crescentes necessidades de energia do mundo. A ExxoMobil é a líder global em execução de projectos GNL e lidera o sector em termos de inventário de recursos, é uma das maiores refinadoras e comercializadoras de produtos de petróleo, e a sua empresa de produtos químicos é uma das maiores do mundo. Para mais informações, visite o site www.exxonmobil.com ou siga-nos no Twitter www.twitter.com/exxonmobil.

Em Moçambique, a ExxonMobil detém uma participação indirecta de 25% na Área 4 e liderará a construção e operação de futuras plantas de liquefacção de gás natural. A multinacional também detém 60% de participação operacional nas bacias de Angoche (A5-B) e Delta do Zambeze (Z5-C e Z5-D) como parte da quinta ronda de licenciamento de Moçambique.